sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

sobre amamentação...

é difícil, muito.
dói, na carne e na alma.

mas mesmo assim, estou persistindo há quase um mês, sei que é para o nosso bem.
não tivemos nossa hora de ouro e nem a mamada na primeira hora de vida, o que me deixou bastante depressiva, talvez por isso eu tenha insistido tanto em amamentar no peito exclusivamente.
mas isso cansa, muito.

já usei bomba para retirar o leite e oferecê-la no copo, mas confesso que no desespero de alimentá-la e cessar o choro, usei a mamadeira, umas três vezes, que foram suficientes para que ela se irritasse quando voltou a pegar o peito.

leite complementar? ofereci sim, uma vez, já que ela mesmo mamando continuava a chorar incontrolavelmente e eu simplesmente não sabia mais o que fazer.

ela quase não dorme, diferente de outros recém-nascidos que escuto falar.
ela quando não está no peito, está aos prantos. descobri que muito deste choro são as cólicas, os gases.
aprendi a abstrair o choro, ofereço peito, embalo, entrego pro pai ou pra avó.

já tomei litros de chá de funcho, há mais de 25 dias que tomo, no mínimo, dois litros por dia.
ela usa colikids, prescrito pela pediatra desde o 7o dia de vida, e nada.
já parti para a funchicória em pó e confesso que não notei lá essas melhoras.

sim, tenho tentado ao máximo não oferecer mais nada além do meu próprio leite, mas tem horas que me questiono se isso vale realmente a pena, já que o choro dela é quase que incontrolável por horas seguidas... muitos de nós, eu mesma, não mamei exclusivamente no peito, tomei complemento e até hoje estou viva... certo que com algumas deficiências, e problemas que não sei se se relacionam com a questão do aleitamento, mas estou viva...

até onde conseguirei ir?
meu lema?
só por hoje... sómpor hoje eu não vou desistir, só por hoje eu não vou entregar os pontos, só por hoje eu vou continuar persistindo, só por hoje eu vou oferecer o peito...

domingo, 14 de dezembro de 2014

(PAUSA)

viemos pra casa
preciso de um tempo
me adaptar a ela
adaptá-la a mim
aprender a dar de mamar
fazê-la aprender a pegar

curar essa cicatriz
cesárea indesejada
desnecessária
sensação de impotência
movimentos limitados

preciso de um tempo 
pra mim
pra ela

outra hora eu volto
até. 


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

40 semanas e...

uma cesárea indesejada.
sentimento: frustração. impotência.
não sei se sou, mas me sinto sim vítima desse sistema cesarista que está posto em nossa sociedade.
médicos sentem-se deuses.
mulheres grávidas são doentes que precisam de cirurgia.
alguns vão ver como exagero de mulher recém parida, que os hormônios estão desregulados. mas não, não é. a minha escolha não foi respeitada.

passei a gravidez inteira estudando, lendo, debatendo, participando de grupos sobre o parto natural, minha médica se dizia adepta, mas de que forma? adepta até as 40 semanas? quando sabemos que uma gestação pode ir até 42 semanas? 

fiquei tão descontrolada, quando, sem qualquer motivo, minha médica disse: arruma tuas coisas que vou te internar hoje. como assim? não entrei em trabalho de parto...
o desespero foi tamanho, era impossível eu conter o choro, eu não tinha a menor condição, consegui mais um dia, arranjei, pra ontem, uma médica que fizesse uma ultrassonografia com Doppler que confirmava estar tudo bem com minha filha, não havendo nenhum indicativo de cesárea... e não havia, minha barriga ainda estava alta, eu só tinha 2cm de dilatação, mas não tinha contrações, apenas leves cólicas.

do dia 10 não passou. questionei, chorei, quase implorei... fui colocada à disposição para procurar outro profissional, mas como? com 40 semanas, quem iria me atender...? 
tenho certeza que ouvi coisas desnecessárias... do tipo: ela já tem 3,400kg, vai normal?
meu coração dizia que não era hora mas... eu cedi, com medo, de tanto ouvir: pra que esperar mais se ela já está formada? tudo pode mudar, ela foi tão esperada, é tão amada, hoje está bem, mas num piscar de olhos pode não estar mais... e aí? 

até outra médica conhecida se achou no direito de vir, sutilmente, deixar sua opinião a respeito da indução do parto, das 40 semanas... desnecessária a vinda desta pessoa.

me internei, sem forças para ser contra, apenas pedindo a Deus para entrar em trabalho de parto... o que não aconteceu... já com 5cm de dilatação começou a ocitocina... que não fazia efeito nenhum... trocou-se por outra dose e nada, e mais uma dose e nem sinal de baixar a barriga ou contrações... até que eu tive reação, comecei a me tremer incontrolavelmente...

e foi então que, já de madrugada, veio o discurso: fiz o que pude, do jeito que você quis, mas não era pra ser, agora você precisa decidir.

decidir o que? eu não poderia mais voltar pra casa... minha única saída era render-me a cesárea...
é assim foi feito... minha sensação? tristeza profunda. parecia que eu me preparava para um funeral, sim, essa foi a minha sensação...

e seguiu-se a violência, meu marido foi chamado a atenção sobre a proibição de filmar o parto, minha doula foi deixada de lado, tive apertos fortes para me segurar na hora da anestesia, o anestesista puxava com toda a força o acesso do soro que já vinha incomodando desde o quarto e o puxão dado por ele só fez doer mais, mas a essa altura do campeonato nada mais doía tanto quanto o fato de ter que me submeter a uma cesárea... não bastando tudo isso, minha filha nasceu e foi levada para longe, ninguém respeitou a nossa hora de ouro, não me dera ela para que pudéssemos ter o primeiro contato, pelo contrário, mesmo com o teste de apgar dando 9, ela foi levada para os procedimentos de "rotina"... e eu fiquei ali, sozinha, deitada... chorando.

não sei se me recupero. dói, muito. me senti de mãos atadas. me senti impotente. 

nem aquela história de que "você não é menos mãe porque fez uma cesárea", ou "foi a vontade de Deus, tudo o que Ele faz é bem feito, o que importa é que ela nasceu saudável"..., não é suficiente para acalmar meu coração...




sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

39 semanas e...

...começam os problemas!
eu e maria carolina passamos bem, graças a Deus, liquido aminiótico normal, tampão mucoso caiu e estamos em contagem regressiva para a entrada em trabalho de parto e a chegada da minha pequena, no entanto, nem tudo são flores... senta que lá vem a história.
além das milhares de ligações de pessoas preocupadas com a demora no nascimento, você vai na consulta médica e ouve...
1. da técnica de enfermagem: tu vais esperar pra ter normal? mas pra quê? agenda logo uma cesárea, tu não precisa sentir dor, passar por nada disso... // oi? cesárea? cirurgia? não estou doente pra ser operada e até o presente momento, quase 10 meses, não tive indicação nenhuma de cesárea;
2. de médico: mas ela já tem 3,266kg, vai normal mesmo? // alô, isso é ultrassom e tem margem de erro de 10% pra MENOS inclusive; e de mais a mais, quem é que vai parir mesmo?
3. de médico: vamos fazer o exame que mede o coração do bb pra saber se ele está em sofrimento // tudo normal e eu quis correr da sala de pré-parto na maternidade porque um dos médicos plantonistas era o próprio cavalo, reclamou o tempo todo de outro médico, em alto e bom tom, se queixou que minha médica não tinha assinado o pedido de exame, logo ele não queria se responsabilizar, fiquei mais de 40 minutos deitada numa maca desconfortável à espera de realizar o dito exame para no fim, constatar que estava tudo normal...

e por aí vai... sinto no fundo do meu coração que as coisas vão fugir do meu controle. 

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

38a semana e contando...

enfim chegamos na 38a semana, sem nenhum problema. amém!

não que eu esteja ansiosa, nada disso, estou até com saudades já... queria poder voltar no tempo e curtir esse momento todo novamente...

as pessoas me perguntam se já está tudo pronto, mas que nada, a única coisa que está pronta mesma é a mala da pequena Maria Carolina... o quarto dela ainda de pernas pro ar, mas calma, a roupinhas menores, fraldas, toalha fralda, lençóis já estão lavando, passados e dobrados dentro da gaveta no quarto de hóspedes, porque afinal, Maria Carolina será a mais nova hóspede da casa!

começamos a massagem perineal para evitar ao máximo a laceração da região na hora do parto. e eu vou passar a real, no início não é fácil não...

hoje, com 38 semanas, ainda fui para a aula de hidroginástica e me sinto bem para continuar, bem como o pilates e a yoga, nada de sinais de TP, embora as pessoas me olhem torto e digam: mas tu tens que ficar em casa, de pernas pra cima... ALOW PESSOAS, ESSA MENINA PRECISA NASCER E DEITADA DE PERNAS PRA CIMA A GRAVIDADE NÃO VAI AGIR NO PARTO, OKAY?

tem horas que sinto como se a pancinha fosse estourar de tãããooo dura que está... mas ainda está alta, calma lá!

providenciei umas lembranças para os que aparecerem na maternidade, mas confesso que ainda falta terminar de montar... ao marido ficou a tarefa de providenciar uns biscoitos e um vinho e/ou licor para a chegada da pequena Maria Carolina, que ele ainda não providenciou. rá!

bom, de hoje -24/11/2014- o dia 24/12/2014, qualquer dia é dia para a chegada da minha Maria Carolina, pois a dpp é dia 10/12/2014, logo, como pretendo o parto normal, ela pode vir duas semanas antes ou duas semanas depois...

estamos todos no aguardo, até breve, com novas notícias...

@aFanali

sobre o betapositivo